Porque levar seu cão regularmente ao veterinário

É comum os donos de cães levarem seus bichinhos ao veterinário só quando apresentam algum problemas de saúde, ou para tomar as vacinas.

O problema é que determinadas doenças só manifestam sintomas quando já estão em um estado bem avançado, quando o tratamento as vezes nem adianta mais.

Por isso, a melhor forma de cuidar da saúde do seu bichinho ainda é prevenindo, ou seja, levando frequentemente ao veterinário, realizando os devidos exames.

Acredite, fazendo isso, se estiver com alguma doença, os exames irão apontar, e ainda no estágio inicial, facilitando, assim, o tratamento.

Nesse sentido, a  frequência para levar seu cão ao veterinário deve ser a seguinte:

  • Filhotes: Até os seis meses de idade, seu cão deve ir regularmente ao veterinário.
  • Adultos: a partir dos sete meses, o cão já é considerado adulto já sendo suficientes as consultas anuais.
  • Idosos: Entre os sete e oito anos de idade o animal já é considerado idoso, quando é necessário investir em consultas semestrais.

Mas, claro, além dessas visitas, é preciso ficar sempre atento e procurar fazer o controle de pulgas e carrapatos de forma mensal, assim como, o uso mensal ou trimestral de vermífugos.

Principais doenças em cães

  • Leishmaniose

Uma das principais enfermidades que acometem os cães,  a Leishmaniose é transmitida através da picada do mosquito.

Infelizmente, a doença pode ficar incubada de 3 meses a 6 anos, o que faz com que muitos pets estejam contaminados sem que seus donos saibam. Por isso, é fundamental levar o seu cão frequentemente ao veterinário para realizar o check-up.

  • Doença do Carrapato

A Doença do Carrapato é transmitida através da saliva do carrapato que, ao picar o cachorro, acaba transmitindo a doença.

Além das visitas ao veterinário, vale prestar muita atenção a possíveis mudanças de comportamento de seu animalzinho.

Check-up

Por isso tudo, é fundamental levar o seu cão frequentemente ao veterinário, e não apenas quando ele já apresenta algum problema. Prevenir é sempre a melhor forma de cuidar da saúde do seu animal de estimação.

Ao levar seu cão ao veterinário na frequência indicada, ele irá realizar alguns exames básicos, garantindo que seu cão permaneça saudável.

Primeiramente, são feitos exames clínicos comuns, como verificar o peso, olhar ouvido, medir temperatura e auscultar o coração.

Em seguida, são realizados aqueles exames mais complexos, mas necessários, que vão indicar, com precisão, a presença (ou não) de alguma doença.

Os exames pedidos são os seguintes:

  • Hemograma completo:considerado o principal exame, já que se o seu cãozinho estiver com alguma doença, o hemograma completo irá mostrar alguma alteração e, dessa forma, permitir uma investigação mais aprofundada como, por exemplo, um perfil bioquímico sanguíneo completo.
  • Exame de urina:serve para identificar alguma complicação do sistema genito urinário, renal ou hepático, além de possíveis infecções.
  • Ultrassom:serve para verificar as condições dos órgãos internos do seu cão.
  • Radiografia: serve para apontar alguma possível condição pulmonar ou cardiovascular, além de alterações ósseas como displasias, muito comum em cachorros.

Enfim, por tudo isso, é fundamental não deixar de levar seu cão regularmente ao veterinário, lembrando que atualmente já existem clínicas que já contam até com lembretes de retorno, impedindo que os muitos afazeres do dia a dia façam com que os donos acabem esquecendo de seus animais de estimação.

Código do banco: para que serve?

Código do banco: para que serve?

Com tantas escolhas de bancos disponíveis, ficamos sujeitos àqueles que melhor atendem às nossas necessidades, as quais podem ir desde precisar de um lugar para guardar seu dinheiro, à facilidade de realizar transações bancárias. Em ambos os casos, é preciso saber para qual banco seu dinheiro está indo. E é por isso que foi designado o código banco.

O que é código banco?

Esse termo diz respeito a um conjunto de números que servem para identificar os bancos para onde você está enviando seu dinheiro. Eles possibilitam a realização das transferências, depósitos, pagamentos e afins. Dependendo da quantidade de dígitos, eles podem representar o código COMPE ou o código ISPB de uma instituição bancária.

Cada banco tem seu próprio código COMPE e ISPB, embora esse último seja mais raro nos dias atuais.

O código COMPE significa que quando é realizado um TED ou um DOC, a transação vai precisar passar pelo “Sistema de Compensação de Cheques e Outros Papéis” para se concluir a compensação bancária. O mesmo acontece no ISPB, que por sua vez, a transação passa pelo sistema de transferência e reserva do Banco Central.

A diferença entre os dois códigos é na quantidade de dígitos. Enquanto o COMPE possui apenas 3 dígitos, o código ISPB corresponde a 8 dígitos.

Quando tenho que informar o código banco?

O código do banco é solicitado na hora de fazer uma transferência por TED ou por DOC, para reconhecer em qual banco destino a transação será feita. Assim como o código banco, também é necessário estar em mãos uma série de informações pessoais, como nome do beneficiário, CPF ou CNPJ se houver e o número da conta e da agência do destinatário.

Suponhamos que você vá fazer uma transferência da sua conta, que é da Caixa Econômica (código 104), para uma conta Santander (código 033). Para realizar essa transação vai ser preciso informar os dados pessoais descritos acima, assim como o código banco Santander, que é o 033. Isso garante que seu dinheiro chegue seguro até a conta do destinatário.

Informações importantes sobre o código banco

  • O código banco é diferente para cada banco, por isso, sempre consulte o código antes de realizar transações;
  • O código não diz respeito ao número da agência e conta do banco;
  • Embora raros, existem bancos que não possuem código COMPE (3 dígitos), nesses casos, é necessário consultar o código ISPB.